Sign in
Antonio Carlos Costa
1 hour ago·3 min read
1. Sair às ruas para defender a liberdade, mas apoiar um presidente da República que exalta a ditadura militar, que prendeu, torturou e matou militantes políticos, censurou a produção artística, amordaçou a imprensa e impediu a livre expressão do pensamento do restante da sociedade.
2. Condenar a prisão de militantes bolsonaristas, porém, manter silêncio quanto aos cerca de 850 mil homens e mulheres que jazem no sistema prisional brasileiro, vivendo em condições subumanas, dos quais 40% não tiveram a sua culpa ainda estabelecida pela justiça do posso país.
3. Pregar a favor da “lei e ordem”, mas não condenar a ocupação da Esplanada dos Ministérios, a tentativa de invasão do prédio do STF e o fechamento de estradas feito por caminhoneiros, tudo levado a cabo por bolsonaristas.
4. Levantar a bandeira do combate à corrupção, mas celebrar a chegada em manifestação pública bolsonarista de gente acusada da prática de corrupção e envolvimento com milícia, não exigir elucidação do escândalo da rachadinha e tratar com indiferença a malversação de recursos públicos ocorrida no Ministério da Saúde.
5. Demonizar a imprensa, mas sempre divulgar e usar o conteúdo dos artigos, reportagens, matérias, dos jornalistas brasileiros quando isso lhes é conveniente.
6. Defender a família como valor supremo da sociedade, mas ignorar a importância dos salários justos, da moradia decente, da educação de qualidade, das horas vagas, do saneamento básico, para o bem-estar familiar.
7. Precaver-se de uma suposta ameaça da globalização comunista levada a cabo pela China, mas ignorar o que há de nefasto na globalização neoliberal, que polui rios e mares, devasta florestas, dissolve famílias, precariza o trabalho e torna o lucro a medida de todas as coisas. O presidente da República exaltou hoje a parceria comercial do Brasil com a China.
8. Ter como enviado de Deus um presidente da República que dizem defender os valores da família, do anticomunismo, da religião, mas que com o seu exemplo corrói o tecido moral da nossa nação ao usar linguajar chulo, insultar pessoas e disseminar ódio.
9. Querer o fim da censura nas redes sociais, mas chorar sobre o caixão de parentes e amigos. que foram mortos por terem aprendido com os fomentadores de notícias falsas a desrespeitar normas sanitárias e duvidar da eficácia das campanhas de vacinação.
10. Bradar que o seu partido é o Brasil, mas ignorar aquele Brasil no qual crianças têm a cabeça explodida por bala perdida, bebês são mordidos no berço por ratazanas, casas são metralhadas em confrontos entre bandidos e policiais, trabalhadores permanecem em casa porque não há emprego.
Existem contradições de todos lados, reconheço. Há sombras em todos nós. Não tenho o direito também de dizer que o perfil supramencionado deve ser generalizado. Há conservadores e liberais que olham para o bolsonarismo com tristeza, pois sabem que ele não expressa in totum seus valores, e que isso fará com que a opinião pública se volte contra o que acreditam.
O momento, entretanto, exige que denunciemos essas graves contradições, que se não forem tratadas com clareza, coragem e celeridade aprofundarão a divisão presente na sociedade e o caos social no qual nos encontramos.
Fundador da ONG Rio de Paz, teólogo e jornalista.
Fundador da ONG Rio de Paz, teólogo e jornalista.

source