Na Bíblia, “fé” não designa sentimento religioso, muito menos doutrina. A emoção religiosa é algo bom, mas não é o principal. Quanto aos dogmas, eles fornecem uma estrutura para a fé, mas não vêm primeiro.

A fé, por outro lado, é “convicção”, uma certeza interior que nos dá uma força extraordinária, um ímpeto que nos impele a fazer grandes coisas que pareceriam impossíveis a priori.

Para isso temos que acreditar, superar o “não é possível” e “nunca vai dar certo”, pois acreditamos que com Deus muito é possível.

A fé nos tira do razoável para nos lançar no mundo do etéreo. É a abertura de possibilidades, o rompimento com o determinado e com a vida sem sentido.

A fé em Deus

Devemos acreditar que é possível sair da escuridão, que podemos mudar o caminho, ter uma vida plena em Deus.

“Tenha fé em Deus” pode então ser um convite a não acreditar apenas em si mesmo, o que seria desanimador, limitado e fraco.

Confiar em Deus não é acreditar que ele fará tudo por nós, mas saber que nossa ação não é onipotente, que as coisas podem evoluir lentamente sem Deus.

A fé em Deus elimina muitas preocupações sobre nós mesmos e pode mover montanhas, como está escrito em Marcos 11,22-24.

E quando algo deve ser realizado, o chamado à ação pode se apresentar como mais importante do que as energias que alguém pode ter ao confiar em sua própria força.

Isso é possível porque você não é o centro de tudo e porque sabe que não é a causa última de tudo que dá certo ou falha.

Mas se essa fé move montanhas, ainda falta saber de quais montanhas estamos falando.

A fé move montanhas

Em primeiro lugar, você pode ver a montanha como o lugar da revelação de Deus. Com fé você pode mover a montanha para todos os lugares, até o fundo do mar.

Mesmo em meio às piores provações, pode-se encontrar uma montanha luminosa, uma palavra de vida, uma esperança, ver a própria vida na morte, acreditar na luz.

Mas as montanhas também podem ser negativas, como em Isaías 40, que pede que todas as montanhas sejam baixadas para permitir que o Senhor apareça.

Elas são os obstáculos entre nós e Deus, que é vida, felicidade, realização. São montanhas de egoísmo, absurdo, indiferença, apegos enganosos.

A fé permite jogar tudo isso longe, no fundo do mar, no abismo, para que nada fique.

Purificação pela fé

Se fé é convicção, também consiste em fazer uma obra de purificação, não se pode guardar tudo, a velha vida, os apegos errados, e querer começar uma nova vida do nada.

Devemos ter a coragem de nos despojar do que é desordenado e sem valor.

E então, livrar-se dessas montanhas é também tirar o que obscurece o horizonte, o que impede você de ver além dos próprios olhos. Ter fé em Deus é abrir horizontes infinitos, ver ao longe, libertar o espaço da vida.

Cristo move as montanhas

montanhas

As montanhas representam as dificuldades do dia a dia que nos parecem intransponíveis.

Quem tem fé está convencido de que nada é acidental e que a presença de Deus permeia tudo e todos. É por isso que é essencial orar com frequência para obtê-la.

A fé ajuda a razão a ler os sinais dos caminhos a seguir. Faz com que abandonemos gradativamente a visão irracional do mundo resultante do acaso e nos direcione para a força criadora de um Deus ativamente presente na história do Universo e do homem.

Faz-nos compreender em profundidade que todas as coisas foram criadas por Cristo e tendo em vista Cristo, sentido e destino final.

Na fé o Espírito Santo nos ajuda a interpretar até os menores fatos que acontecem conosco independentemente de nossa vontade.

Agimos em liberdade, mas a graça deixa espaço para sua imprevisibilidade ao agir também por meio dela.

A fé nos devolve o espanto de uma criança porque nos dá um olhar purificado, longe dos males do mundo.
Não nos explica a dor e o sofrimento que existem no mundo e em nós, mas dá-lhe sentido no misterioso projeto que Deus tem na construção do seu habitat espiritual.

A fé nos convence de que nada é impossível para Deus. Jesus é o único que nos ajuda a quebrar o falso eu e a redescobrir a fonte da vida eterna.

Por isso nos pede que rezemos para obter a fé, porque conhece bem quais são as nossas necessidades mais essenciais: se não soubermos dar sentido ao todo, não nos perderemos em nada.

É realmente possível mover uma montanha com fé?

Jesus disse aos apóstolos que se eles tivessem fé tanto quanto um grão de mostarda (isto é, muito pouco, visto que o grão de mostarda é muito pequeno) eles poderiam ordenar que uma montanha se movesse e ela se moveria.

Visto que Jesus disse que bastava ter fé tanto quanto um grão de mostarda, sabemos que ele usou uma linguagem figurada.

Portanto, mover uma montanha também é algo metafórico. Jesus estava simplesmente dizendo que mesmo se tivermos um pouco de fé, podemos fazer grandes coisas.

Isso porque na realidade não os fazemos, mas quando lhe pedimos, um pouco de fé em um grande Deus é suficiente para fazer grandes coisas.

A fé de um grão de mostarda

Em Lucas 17, 5 a10, há uma passagem interessante.

Naquela época, os apóstolos diziam ao Senhor: “Aumenta a fé em nós!”. O Senhor respondeu: “Se você tivesse fé tanto quanto um grão de mostarda, você poderia dizer a esta amoreira: ‘Levanta-te e vai plantar-te no mar ‘”, e ela lhe obedeceria.

O Evangelho segundo Lucas apresenta-nos, portanto, a figura de Jesus disposto a propagar novos ensinamentos aos apóstolos e reafirmar os já existentes em outros momentos bíblicos.

É possível dividir a passagem em duas partes. A primeira trata da “força da fé”. A segunda mostra aos apóstolos a atitude existencial a ter após a morte do Mestre: serviço fiel ao irmão e ao próximo.

Na passagem que precedente, Jesus tenta transmitir aos discípulos a necessidade do perdão absoluto .

“E se [o seu irmão] pecar contra você sete vezes ao dia e voltar a você sete vezes dizendo: ‘Eu me arrependo ‘, você o perdoará”.

É bom ter em mente que o número sete, relembrando os dias da criação, indica a totalidade.

Pecar sete vezes ao dia pode ser interpretado como pecar sempre. Então, os discípulos sentiram a necessidade de aumentar a fé, por isso pediram a Jesus.

No entanto, ele responde de forma paradoxal: ele não indica como aumentar a fé, mas mostra sua força e seu potencial.

O poder da fé em Deus

O homem é, poderíamos dizer por natureza, questionador, descontínuo, como se não pudesse colocar seu caminho nas mãos da confiança de Deus.

Ele coloca a si mesmo em suas defesas. Por outro lado, ter fé não significa outra coisa que viver na plena confiança em Deus, passar pela própria existência longe do desamparo e do abandono.

Mas, como lembra Jesus, bastaria ter tanta confiança quanto um grão de mostarda – que é uma das menores sementes – para realizar proezas extraordinárias. Para entrar no mundo de conexão com o divino, que é a conexão com Deus.

Quando a confiança em algo, no amparo do Senhor, é maior do que a dúvida, a fé é fortalecida, bem como suas realizações.

Isso não significa que as dificuldades sejam menores, mas na presença de Deus dificuldades se transformam em oportunidades.

Mas o que se espera de quem tenta se desvencilhar do amor do Pai na vida diária? Nesse sentido, sempre recordamos e destacamos que Jesus pede confiança na dimensão do amor e da humildade.

Confiança em Deus

O fiel deve se tornar um servo, sempre servir ao seu próximo, ao seu irmão e, também, a Deus.

Em última análise, é também uma questão de confiança. Esta foi a experiência de Deus de Israel, um Deus que por meio de suas ações se mostrou leal às suas promessas.

Quando lemos o livro do Êxodo, por exemplo, vemos que aos israelitas não faltou fé em Deus, mas confiança.

Êxodo 14, 31 é uma passagem na qual encontramos a diferença entre crer e confiar. “Quando Israel viu o grande poder com que o Senhor havia agido contra os egípcios, temeram ao Senhor, confiaram no Senhor e em seu servo Moisés”.

Dessa forma, podemos entender que os autores dos Evangelhos tenham visto na referência de Jesus ao grão de mostarda um convite a confiar plenamente tanto nas ações de Deus quanto em suas palavras.

A verdadeira fé não é plantar árvores no mar, pois nem mesmo Jesus o fez. A verdadeira fé está no milagre de ser um servo do Senhor, que também veio para servir.

Tendo fé e confiança em Deus, também teremos melhores relações com as pessoas à nossa volta.

Como seria possível viver sem confiar em alguém? É verdade que nos tornamos mais humanos por meio de relações de confiança, seja entre familiares ou pessoas queridas.

Portanto, a fé e a confiança em Deus também se manifesta em nossos relacionamentos quando estamos em comunhão com o Senhor.