‘Jesus lhes disse: “Geração incrédula! Até quando estarei com vocês? Até quando terei de suportá-los? Tragam o menino para cá”. ‘
Marcos 9:19
A história deste versículo, conta sobre quando Jesus desce de um monte e encontra uma confusão. Ele, então, pergunta o que estava acontecendo. Um homem explica que tem um filho que está sobre domínio de um demônio. Ele tinha trazido seu filho para os discípulos de Cristo mas, esses, não conseguiram expulsar o espírito imundo.
Nessa hora, Jesus tem uma atitude muito peculiar, quando exclama: “Geração incrédula! Até quando estarei com vocês? Até quando terei de suportá-los?”. Cristo, não se incomodou mais com um demônio possuindo o filho de um homem, ou mais com o poder das trevas destruindo a vida de uma pessoa. Ele se incomodou mais com a falta de fé das pessoas naquele momento.
Então Cristo pede para que trouxessem o menino para ele. Nessa hora, a Palavra diz que o menino tem uma convulsão intensa, ao ponto de cair no chão e espumar pela boca. A situação parecia que tinha piorado, mas Jesus não reagiu, não se impressionou, muito pelo contrário, Ele faz uma pergunta: “Há quanto tempo isso acontece com ele?”.
O pai, desesperado naquele momento, começa a falar que isso vem desde sua infância, e que o espírito imundo tenta matá-lo de várias maneiras. No fim, o pai do menino fala uma coisa que demonstra o verdadeiro problema que ele tinha. Ele vira para Cristo e diz: “ajude-nos, se puder”.
Nessa hora, Cristo responde com uma pergunta: “Se eu puder? Tudo é possível ao que crê”. Através das Sagradas Escrituras aprendemos que quando Deus nos faz uma pergunta, não é porque Ele não sabe a reposta. Mas é por que nós não sabemos, e pior, não sabemos que não sabemos a resposta.
Na queda do homem, Deus, ao caminhar pelo jardim, pergunta: “onde você está?” (Gênesis 3:9). Deus sabia onde o homem estava, mas o homem não sabia que, agora, o lugar que ele estava não tinha mais a presença de Deus. Ou quando Deus escolhe Isaías para anunciar a sua mensagem para o povo, Ele faz Isaías saber que deveria pregar perguntando “Quem enviarei eu, como mensageiro?” (Isaías 6:8). Quando Deus nos faz uma pergunta, é para conhecermos a resposta.
Deus não reage. Isso é característica da sua criação. Ele não muda por causa do momento, Ele não tem pressa por causa do tempo. Ele não se abala com a tempestade.
– Artigo: Não sabemos quem Deus é
O menino estava tendo uma convulsão, mas Cristo, novamente não reage.
Então Cristo continua fazendo perguntas para esse pai, para conseguir entrar no coração dele e mostrar qual era o verdadeiro problema naquela ocasião. Quando Cristo entra no coração desse pai através de sua palavra, que é mais cortante que qualquer espada de dois gumes, penetra entre a alma e o espírito e traz luz até os pensamentos e desejos mais íntimos (Hebreus 4:12), Ele abre os olhos espirituais desse pai. O pai, então, conseguindo enxergar o que era essencial, clama “Ajude-me a superar a minha incredulidade”.
A oração desse pai mudou. No começo a sua urgência era que seu filho fosse liberto de um espírito maligno. Mas depois de uma experiência com Cristo, ele percebe que o problema sempre foi sua falta de fé.
A fé tem essa característica. Ela muda a forma como enxergamos o mundo a nossa volta, muda a forma como enxergamos a nós mesmos e também como enxergamos a Deus. A fé é a certeza das coisas que se esperam e a convicção das coisas que não se veem (Hebreus 11:1), ou seja, através da fé, nós começamos a ver coisas que nós não víamos antes.
Enoque é um grande exemplo dessa fé. A Palavra de Deus nos diz que Enoque agradou tanto a Deus que não passou pela morte, mas foi levado direto para o céu (Gênesis 5:22). Depois a Palavra vai nos ensinar que Enoque agradava a Deus pela fé (Hebreus 11:5–6). Mas Enoque vivia em uma era onde não existia a lei do Senhor, não existiam as escrituras, não existiam templos, igrejas e, principalmente, não existia quem pregasse o evangelho. Hoje temos tudo isso e muitas vezes eu não consigo ter fé. Enoque, vivendo no meio de uma sociedade corrompida, pelos olhos da fé, conseguiu enxergar o que ninguém via. Ele conseguiu enxergar Cristo, pela fé.
O famoso pregador do evangelho John Piper fala sobre essa fé. Ele diz que Paulo, quando fala sobre combater o combate da fé e guardar a fé (2 Timóteo 4:7), termina falando que vai receber o premio que é para ele e, também, para todos que amam a vinda de Cristo. John Piper concluí que o centro da fé é amar a vinda de Cristo, é aguardar com expectativa a volta do nosso Salvador (Vídeo: Fé Salvífica é Desejar a Jesus).
Essa era a fé de Enoque. Uma fé que, além de nos fazer enxergar sobre as circunstâncias, além de nos fazer enxergar aquilo que é essencial e não apenas aquilo que é urgente, nos faz amar e enxergar que Cristo está voltando.
Mas, o que realmente acontece quando começamos a ter fé?
Muitas vezes acreditamos que as montanhas começam a se mover. Mas as Sagradas Escrituras vão nos ensinar que, muitas vezes, as adversidades vão provar a nossa fé, porque quando a fé é provada, a nossa perseverança tem a oportunidade de crescer (Tiago 1:3). Se olharmos para a vida desse pai, quando ele olhou para Jesus e pediu ajuda para vencer sua falta de fé, a Palavra vai dizer que Cristo esperou a multidão aumentar e repreendeu o espírito imundo.
Mas quando Cristo disse “saia e nunca mais entre nele!”, o espírito causou uma convulsão tão intensa no menino que ele parecia morto. Essa foi a primeira prova de fé, para que esse pai pudesse superar sua incredulidade. Porque, nesse momento, havia uma multidão em volta dizendo “Ele morreu”.
A multidão apontava para a morte do menino. Toda a circunstância apontava para que o menino estivesse morto. Mas Jesus tinha dito “saia”. Nessa hora, esse pai, estava tendo a oportunidade de ver que Jesus era Deus. Quando todos estavam dizendo não, Cristo estava dizendo sim. Então Jesus toma o menino pela mão e o menino se levanta.
Na nossa caminhada cristã, umas das coisas mais essenciais que o Espírito Santo vai querer desenvolver na nossa vida, é a nossa fé. Pois, a fé vem pelo ouvir e ouvir o evangelho de Cristo (Romanos 10:17), ao ponto que é o Espírito que nos da sabedoria, discernimento, conhecimento e temor no Senhor (Isaías 11:2). Muitas vezes, para que nossa fé seja desenvolvida, vamos olhar para todas as circunstâncias, para a multidão, e todos vão estar dizendo o contrário do que a Palavra de Deus nos aponta. Essa é a hora de desenvolver uma fé que não se conforma com este século, mas renova a sua mente para poder experimentar a boa, perfeita e agradável vontade de Deus (Romanos 12:2).
‘“Porque a sua fé é muito pequena”, respondeu Jesus. “Eu lhes digo a verdade: se tivessem fé, ainda que do tamanho de uma semente de mostarda, poderiam dizer a este monte: ‘Mova-se daqui para lá’, e ele se moveria. Nada seria impossível para vocês, mas essa espécie não sai senão com oração e jejum.” ‘
Mateus 17:20–21
Depois que tudo aconteceu, os discípulos chegam para Jesus e questionam ele a cerca do, porque, eles não conseguiram expulsar o demônio. Cristo, dá uma resposta intrigante, dizendo que essa casta ou espécie, como diz algumas versões, só sai com oração.
Essa resposta é intrigante porque, como vimos no começo, Cristo tinha dito para o pai do menino que tudo era possível para quem tivesse fé. Agora ele fala que só era possível expulsar aquele espírito através de uma vida de oração.
Só que a Palavra de Deus é perfeita (Salmos 19:7), então essas coisas não se contradizem. Porque oração e fé, elas andam juntas.
O pai do menino orou. Ele orou a Cristo pedindo “ajuda-me na minha falta de fé”. O que Cristo queria ensinar para os discípulos era que para eles conseguirem expulsar aquele espírito maligno eles precisavam estar vivendo em oração para que eles tivessem fé.
Fé e oração caminham juntas. Quanto mais fé você tiver, mais oração você fará e quanto mais oração você fizer, mais fé você terá. Um dia o famoso pregador John Wesley recebeu o seguinte conselho de outro pregador chamado Peter Boular: “pregue a fé até que tenha, quando tiver, pregue-a”.
Isso tem tudo a ver com a oração também. Devemos orar por fé até, termos fé e quando tivermos fé, vamos orar. Deus sabe todos os nossos pedidos, quando oramos, não estamos contando as coisas para Ele, mas estamos admitindo nossa total dependência de Sua providência e alimentando a nossa fé para confiarmos em Deus todas as coisas.
Paulo é um exemplo disso. Ele enxergava com os olhos da fé e quando ele foi acometido de um espinho na carne, ele viu que o essencial era que a graça de Deus basta-se. Ele ora três vezes por esse espinho, pois, era algo urgente que ele queria que saísse da sua vida. Mas ele conseguiu ver, pela fé, que o essencial era maior que o urgente. Ele pode se satisfazer com a graça de Cristo em sua vida (2 Coríntios 12:9).
A minha oração é para que possamos ser como o Pai do menino. Abrirmos os nossos olhos e mudar o foco, para conseguirmos enxergar pela fé.
Quando o Pai do menino fez isso, ele trouxe salvação para o seu filho. Que esse artigo possa te levar a querer mudar o foco das coisas que não são essenciais na sua vida e colocar esse foco em Jesus, pela fé.
‘Jesus respondeu: “Eu lhes digo a verdade: se vocês tiverem fé e não duvidarem, poderão fazer o mesmo que fiz com esta figueira, e muito mais. Poderão até dizer a este monte: ‘Levante-se e atire-se no mar’, e isso acontecerá. ‘
Mateus 21:21
Siga o autor desse artigo no instagram, não custa nada: https://www.instagram.com/daniel_acaz/
Para continuar lendo outros artigos: https://medium.com/viva-e-eficaz
reflexões das Sagradas Escrituras que singularmente é viva e eficaz.



reflexões das Sagradas Escrituras que singularmente é viva e eficaz.
Written by
A sinner looking for repentance | Software Engineer | Theology and technology passionate | Lover learn about development and science
reflexões das Sagradas Escrituras que singularmente é viva e eficaz.

source