O fato teológico subjacente é que o morrer de Cristo é um ato real, não apenas no sentido de que ele morre de maneira real e digna, mas no sentido de que o fato de morrer é sua conquista suprema para o seu povo: o ato pelo qual ele conquista sua vida, assegura sua liberdade e estabelece seu reino. – (Donald Macleod Cristo Crucificado: Entendendo a Expiação, 37.)

O Evangelho de João é sugestivo, revelando a verdadeira natureza de Jesus e seu reino, mesmo mostrando a ocultação dessa realidade. Várias vezes João mostra a glória de Cristo que estava oculta para as pessoas entre as quais Jesus andava. Ele parecia ser um homem normal, um carpinteiro, mas ele pregou e demonstrou um reino de graça e glória através de sinais e curas milagrosas. E depois que ele entrou em Jerusalém montado em um burro, aclamado como rei, na última semana de sua vida, ele falou de sua morte. Ele disse: “Chegou a hora de ser julgado este mundo; agora será expulso o príncipe deste mundo. Mas eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim”. João 12:31,32

Jesus descreveu sua morte como uma vitória sobre o governante do mundo, como sendo elevado da terra, como atraindo todas as pessoas para si mesmo. Isso soa como o cumprimento da esperança de Israel espalhada pelos salmos e profetas. Considere alguns versículos que viriam à mente no julgamento de Jesus:


“Todos os confins da terra se lembrarão e se voltarão para o Senhor, e todas as famílias das nações se prostrarão diante dele, […]” Salmos 22:27

“Perpetuarei a tua lembrança por todas as gerações; por isso as nações te louvarão para todo o sempre.” Salmos 45:17

“Exultem e cantem de alegria as nações, pois governas os povos com justiça e guias as nações na terra. …” Salmos 67:4

“Todas as nações que tu formaste virão e te adorarão, Senhor, glorificarão o teu nome.” Salmos 86:9


“Eis o meu servo, a quem sustento, o meu escolhido, em quem tenho prazer. Porei nele o meu Espírito, e ele trará justiça às nações.” Isaías 42:1

“As nações virão à sua luz e os reis ao fulgor do seu alvorecer.” Isaías 60:3

“As nações verão a sua justiça, e todos os reis, a sua glória; você será chamada por um novo nome que a boca do Senhor lhe dará.” Isaías 62:2

Todos esses versículos falam para a esperança de Israel, a esperança que o ministério de Jesus parecia evocar, a esperança que as palavras de Jesus pareciam acender. Era a esperança da restauração do reino de Israel. Era a esperança de justiça para os oprimidos. Era a esperança de liberdade das nações tirânicas que dominavam o povo de Deus. Mas João acrescenta uma explicação do verdadeiro significado de Jesus: “Ele disse isso para indicar o tipo de morte que haveria de sofrer.” João 12:33

Jesus estava apenas sendo complicado? Ele estava contradizendo a esperança de Israel? Jesus realmente queria ter esperança ilícita apenas para confundir as pessoas? Não, Jesus estava redefinindo a vitória.


Grande parte da esperança de Israel estava bem definida. Deus pretendia salvar seu povo. Deus pretendia acabar com a tirania e a opressão. Mas Deus havia escolhido fazê-lo contrário às expectativas deles. Jesus estabeleceria seu reino se tornando um rei crucificado. João mostra esse ponto pelo modo como pinta a história da crucificação em João 18 a 20. João retrata Jesus como o rei cujo reino não era deste mundo, não caracterizado por opressão e tirania. João revela Jesus como rei, coroado com uma coroa de espinhos, vestido com uma túnica roxa ensanguentada e levantado sobre o trono da cruz.

João e Jesus queriam que pensássemos dessa maneira. João queria que víssemos a cruz não como um fracasso, mas como a vitória de Jesus, e através dessa vitória aprendemos duas verdades importantes.

1. A vitória de Jesus revela o caráter de seu reino.
Jesus mostra um reino de graça e misericórdia, o tipo de reino que seu povo real precisa. Se Jesus viesse julgando os pecados do mundo, derrubando a tirania e a opressão, quem seria deixado? Quem não é culpado de oprimir alguém? Quem não é culpado de participar de injustiça?

Penso nisso, mesmo quando digito em um computador que foi construído por não sei quem. Provavelmente foi construído em algum país pobre com condições de trabalho injustas. Eu não sei. Não tenho tempo nem energia para conhecer todas as maneiras pelas quais participo da injustiça e promovo a causa das pessoas más através da minha negligência. Mas Jesus sabe, e se ele viesse como juiz para me julgar de acordo com minhas obras, ele pelo menos me julgaria por minha negligência. Ele me julgaria pois eu não lutei de todo o coração e alma pelo bem do meu próximo, seja neste país ou em outro. Um rei justo não pode deixar nenhuma injustiça em lugar nenhum. Jesus é um rei justo, mas também é um rei gracioso que sofreu o castigo devido ao mundo inteiro, para que pudéssemos receber misericórdia e graça.

2. A vitória de Jesus revela os verdadeiros inimigos da humanidade.
Este é provavelmente o ponto mais importante. Nós tendemos a pensar que as pessoas são nossos inimigos. Demonizamos grupos e imaginamos que o mundo seria um lugar melhor sem eles. O fato mais insidioso sobre o mal do genocídio através da história é como as pessoas acreditaram na mentira de que um grupo de pessoas era mau e precisava de extermínio.

Nosso problema não é que exista um grupo de pessoas atrapalhando nossa vida. Jesus expôs nossos verdadeiros inimigos: Satanás, pecado e morte.

Na cruz, Jesus lidou com o poder do diabo, obtendo vitória sobre seu governo (Gênesis 3:15; 1 João 3: 8; Colossenses 2:15). A vida inteira de perfeita obediência de Jesus, experimentando tentação sem pecar, mostra sua vitória sobre o pecado (Hebreus 4:15). Sua ressurreição foi a primeira de muitas, e sua oferta de vida eterna mostra sua vitória sobre a morte (1 Coríntios 15:21; 1 Pedro 1: 3; João 1: 4; João 3:16; 1 Timóteo 1:16).

Na noite passada de Jesus, na noite anterior à sua morte, ele queria ser absolutamente claro com seus discípulos sobre o que havia feito. Ele sabia que sua morte os incomodaria. Ele sabia que eles ficariam tentados a ver sua missão como um fracasso. Mas ele lhes disse a verdade quando disse: “Eu lhes disse essas coisas para que em mim vocês tenham paz. Neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham ânimo! Eu venci o mundo”. João 16:33. Pela morte, Jesus conquistou o mundo e, por isso, podemos ter esperança.

Abençõe outras pessoas: