É um exercício exaustivo que fazemos muitas e muitas vezes: querer compreender as causas, o significado e as consequências do que nos acontece.

Queremos entender o motivo de tudo, ver todo o quebra-cabeça como se já estivesse terminado.

Esquecemos, no entanto, que Deus tem um propósito para cada pessoa. Porém, quando nos afastamos Dele, perdemos a compreensão de diversos aspectos da vida que poderiam levar a uma paz interior e a uma maior serenidade se confiássemos Nele.

Onde encontrar o bem-estar espiritual

O “bem-estar” que todos procuramos como solução não se consegue apenas com bens materiais. A paz espiritual e a conexão com Deus são as principais fontes de felicidade de uma pessoa, para conseguir percorrer caminhos tortuosos.

Não é sorte e não é apenas compromisso pessoal. Não surge do alinhamento perfeito dos planetas ou do momento perfeito da vida.

Onde surge o bem-estar, a serenidade e a paz interior? Onde e como a “alegria” é encontrada?

As pessoas vivem uma rotina atarefada, imersas em seus afazeres particulares e acham difícil descansar na terra fértil do silêncio, onde todas as virtudes florescem na presença de Deus.

Quando temos fé, aos poucos Deus assume o primeiro lugar e deixamos de nos perguntar todos os “porquês” do mundo e confiamos a ele: “Descansa no Senhor e espere nele” (Sl 37,7).

O poder de ser grato

Floresça Deus na sua vida

Quantos de nós somos gratos à vida em vez de apenas se afundar nas adversidades? Agradecer a Deus pela saúde, pela prosperidade e mesmo pelos infortúnios fortalece a alma e traz mais saúde, mais prosperidade e amparo para vencer os infortúnios.

A gratidão nos torna espiritualmente fortes porque entendemos que tudo é uma dádiva de Deus.

Por isso Paulo dirá aos tessalonicenses: “Em todas as circunstâncias dai graças, porque tal é a vontade de Deus em Cristo Jesus para vós”.  Sabendo disso, floresça onde Deus o semeou.

Estamos nas mãos de Deus e nessas mãos não podemos nos abandonar. As adversidades existem, mas é apenas confiando em Deus que você terá a resposta para seguir com resiliência.

O deserto na Bíblia

Mesmo que sua vida esteja um deserto, é apenas pela fé que você será liberto.

A analogia do deserto evoca um lugar negativo que remete a escuridão e morte. De fato, no deserto faltam alimentos e água, elementos essenciais para a vida (Nm 20,5). Viver no deserto corresponde a uma perigosa solidão.

Algumas expressões bíblicas indicam o perigo dessa experiência: o deserto era grande e assustador (Dt 1:19), havia cobras venenosas (Dt 8:15). A tentação de se voltar contra Deus foi grande para os que o habitavam.

A experiência do deserto marca o caminho de fé que o povo, libertado da escravidão egípcia, precisou percorrer para chegar à terra prometida, sempre confiando em Deus.

O deserto se torna um lugar de prova de fé e purificação dos pecados. No deserto, os israelitas aprenderam a confiar em Deus, a buscar orientação e a viver a liberdade recebida na fraternidade solidária.

A solidão e as privações do deserto fazem-nos apreciar a essencialidade das coisas e experimentar que a vida é um dom de Deus de que Ele cuida.

O deserto é um lugar de encontro com Deus

“Pois o Senhor teu Deus te abençoou em toda a obra das tuas mãos; ele sabe que andas por este grande deserto; estes quarenta anos o Senhor teu Deus esteve contigo, coisa nenhuma te faltou” (Dt 2:7).

É por isso que na experiência bíblica o deserto é um lugar de graça e de encontro com Deus.

No deserto Ele cuidou dos fiéis dando-lhes água e suprimentos, mas sobretudo o seu amor que lhes permitiram caminhar com segurança.

O povo que chegou à terra prometida se recordou do que Deus fez por ele durante a sua jornada no deserto que durou quarenta anos.

“Antes te lembrarás do Senhor teu Deus, que ele é o que te dá força para adquirires riqueza” (Dt 8:18).

O deserto para os que não temem a Deus

Depois do pecado cometido na estabilidade da terra prometida, Deus conduziu novamente o povo infiel ao deserto, para que, privados dos ídolos com os quais se enriqueceu, se lembrassem do seu Senhor e decidissem pertencer apenas a Ele.

O deserto é um símbolo das consequências de não temer a Deus. As pessoas que vivem longe de Deus são como um país reduzido a um deserto, no qual vivem animais malignos e perigosos (Is 13,21).

O deserto como libertação

Por outro lado, Deus transforma o deserto de uma situação de morte em um lugar de vida. De terras áridas e estéreis a terras férteis e irrigadas. De uma região temerosa e sem estradas a um espaço cheio de sua segurança e proteção.

Quando, depois do exílio na Babilônia, fez com que seu povo voltasse do exílio para a terra prometida, fez do deserto uma terra fértil (Is 35,1.7) e o povo caminhou pelo deserto cantando seus louvores.

Veja a passagem de Isaías 35, 4:

“Dizei aos turbados de coração: sede fortes, não temais; eis que o vosso Deus virá com vingança, com recompensa de Deus; ele virá, e vos salvará”.

As tentações no deserto

No Novo Testamento, o deserto, um lugar sem estradas, é o lugar de onde João Batista prepara o caminho para o Senhor, que é o caminho da conversão.

Os Evangelhos, cada um de seu próprio ângulo, mostram que até mesmo Jesus no deserto experimentou as tentações que o povo de Deus no deserto não pôde superar.

Jesus as venceu mostrando que elas deviam ser vencidas, deixando-se guiar pela palavra de Deus.

Portanto, Deus nos chama a cooperar  com o trabalho e o imenso desígnio da criação e com o compromisso comum de construir um mundo mais justo e fraterno.

Para que cada homem encontre um lugar adequado à sua dignidade, para cumprir sua vocação.

Saber florescer onde Deus te plantar

Por que falamos do deserto até aqui? Porque, não importa em que local você esteja, Deus estará contigo.

Pela graça, a vida é cheia de bênçãos e é importante reconhecer as bênçãos em nossas vidas.

 No entanto, também é verdade que a vida é cheia de dificuldades e provações. E Deus nos diz como ter paz em meio às injustiças e provações.

Os justos e os ímpios

É importante entender que, aos olhos de Deus, existem duas categorias de pessoas: os justos e os ímpios.

Porém, todos nascemos pecadores. Quando Deus salva uma pessoa, ele perdoa e justifica essa pessoa com a justiça de Cristo Jesus.

Por outro lado, os ímpios são aquelas pessoas ao nosso redor que ainda não têm Cristo. Eles podem ser boas pessoas aos olhos do mundo, mas, porque não temem a Deus e não se arrependeram, não têm a salvação.

Eles não temem a Deus, eles amam as coisas do mundo em vez de amar a Deus, e seus problemas são agravados por seus pecados.

Frequentemente, os pecados dessas pessoas criam provações, dificuldades e sofrimento. A pergunta muito importante a fazer é: Como reagimos a essas dificuldades?

Como você está reagindo às dificuldades em sua vida?

Certamente os problemas podem ser pesados ​​ou podem durar muito tempo. Em situações como essa, sofremos. Podemos ficar cansados ​​e desanimados. Podemos perder a esperança e até mesmo duvidar de Deus.

Como devemos agir em situações como essas? Qual é a solução que Deus fornece para não cairmos no pecado de nos afligir? Como podemos ter um coração tranquilo em situações difíceis e injustas?

Nosso Pai Celestial cuida de nós tanto nas situações em que nos encontramos como em quaisquer outras provações que venham a ocorrer.

Deus nos dá ensinamentos em sua palavra para nos capacitar a vencer essas tentações e desfrutar a alegria do Senhor em cada provação e situação difícil.

É por isso que você pode florescer onde Deus te plantar, com fé e confiança em sua palavra.

Considere a parte inicial do Salmo 37, que explica como ter paz em Deus mesmo em meio às situações difíceis.

Este Salmo nos lembra que a vida de um verdadeiro cristão é uma jornada de fé. É um caminho em que devemos fixar nosso olhar no que não vemos, e não no que vemos.

Na verdade, se fixarmos nosso olhar no que é visível ao nosso redor, nas injustiças, nas dificuldades, nas coisas que dão errado, será impossível ter uma vida de alegria. Pelo contrário, teremos uma vida cheia de preocupações, fardos e um coração perturbado.

Portanto, vamos entender o que Deus levou Davi a escrever no Salmo 37, 1-4:

“1 – Não te indignes por causa dos malfeitores, nem tenhas inveja dos que praticam a iniqüidade.

2 – Porque cedo serão ceifados como a erva, e murcharão como a verdura.

3 – Confia no Senhor e faze o bem; habitarás na terra, e verdadeiramente serás alimentado.

4 – Deleita-te também no Senhor, e te concederá os desejos do teu coração”.

Portanto, é apenas na fé que você poderá florescer em qualquer lugar que esteja. A sua paz espiritual não depende do local em que você se encontra. E, sim, na confiança que deposita no Senhor para guiar o seus caminhos.